Notícias > Terceirização - Eu digo NÃO

Imagem

Morre funcionário terceirizado em Porto Alegre

Na tarde desta última quarta feira o funcionário Adriano Dias Grassi, morreu soterrado em uma das obras de implantação de estação de Esgoto em Porto Alegre ( RS ). Adriano tinha 36 anos e trabalhava em uma empresa prestava serviços para a COSAN, companhia riograndense de saneamento, ou seja, Adriano era um funcionário terceirizado.

Infelizmente notícias como essas tem se tornado rotina na vida da classe operária. Trabalhadores terceirizados, não apenas trabalham mais do que os não terceirizados e recebem menos do que eles, tem seus direitos quase que totalmente reduzidos, tem a sua jornada de trabalho constantemente desrespeitadas, ainda correm o risco de vida sem nenhuma garantia em caso de acidentes e mortes deixando a família em sérias dificuldades.

Depois que Dilma Rousseff foi derrubada da presidência em 2016 por meio de um processo de impeachement farsesco, fraudulento e criminoso, os golpistas iniciaram uma série de ataques sistemáticos a classe trabalhadora. A mais grave foi a reforma trabalhista que aprovou a terceirização em larga escala, o que na prática significa flexibilidade na carga horária de trabalho, redução de salário, parcelamento de férias ( Se houver feriado antes da parcela das férias, os dias serão descontados ), e perca de direitos como Vale transporte, Vale alimentação, a perca da licença maternidade no caso das mulheres e dentre outras. Em suma, a CLT foi literalmente rasgada.

Os golpistas atendendo a vontade de capitalistas estrangeiros estão implantando uma política de terra arrasada para salvar mesmo que brevemente um sistema capitalista que há tempos agoniza. Se Michel Temer não conseguiu realizar grande parte dos planos traçados pelos golpistas, é por causa de um conflito entre a burguesia local e a burguesia mais ligada aos capitalistas estrangeiros, e também a sua incapacidade como articulador e governante.

Isso somado a enorme rejeição ao golpe refletido na liderança de Lula nas pesquisas a campanha presidencial, e a mobilização popular mesmo com a letargia e canalhice de setores da esquerda, provoca um entrave nos planos dos golpistas, o que faz com que, a direita temendo uma perca total do controle do regime político, lançam mão da intervenção dos militares, como aconteceu em Natal, está em andamento no Rio de Janeiro.

Os golpistas a serviço dos imperialistas estrangeiros, estão no poder para arrancar até a medula do osso da classe operária, o caso de Adriano Dias Grassi foi só mais uma de tantas vidas que eles estão dispostos a sacrificar para proteger os seus lucros. É preciso fortalecer os comitês de luta contra o golpe, é preciso dar uma resposta feroz e veemente contra os golpistas e firmar forte posição contra a prisão de Lula e a ameaça de intervenção militar que se avista no futuro do nosso país. Contribua com a nossa Vakinha com o quanto puder e o quanto quiser.

Fonte: Causa Operaria

Comente esta notícia