Notícias

Imagem

ESPECIAL 28 DE ABRIL: CONFIRA A MENSAGEM DA ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO PARA ESTE DIA DE MEMÓRIA

Melhorar a Segurança e a Saúde dos Trabalhadores Jovens

De acordo com as estimativas mais recentes publicadas pela Organização Internacional de Trabalho (OIT), 2,78 milhões de trabalhadores morrem a cada ano devido a acidentes e doenças relacionadas ao trabalho. Cerca de 2,4 milhões (86,3%) dessas mortes são causadas por doenças relacionadas ao trabalho, enquanto pouco mais de 380.000 (13,7%) são o resultado de acidentes do trabalho.

A cada ano, ocorre um número de lesões profissionais não fatais quase mil vezes maior do que a de lesões profissionais fatais. Estima-se também que, a cada ano, ferimentos ocupacionais não fatais afetam 374 milhões de trabalhadores, e muitos deles têm sérias consequências em sua capacidade de ganhar renda a longo prazo (Hämäläinen e outros autores, 2017).

Os trabalhadores jovens têm taxas marcadamente mais altas de lesões ocupacionais aos dos trabalhadores adultos. 

De acordo com dados recentes sobre a situação na Europa, a incidência de lesões ocupacionais não fatais é de mais de 40% maior entre jovens trabalhadores de 18 a 24 anos do que entre trabalhadores adultos (EUOSHA, 2007). 

Nos Estados Unidos, o risco de jovens trabalhadores de 15 e 24 anos sofrem uma lesão profissional não fatal é aproximadamente o dobro que para trabalhadores com 25 anos de idade ou mais (CDC, 2010). 

Paradoxalmente, dado o exposto acima, as estatísticas indicam que a incidência de doenças ocupacionais é menor entre os trabalhadores jovens do que entre os mais velhos. 

Isto não é porque os jovens trabalhadores apresentam uma maior resistência a doenças ocupacionais. Os jovens trabalhadores são de fato mais vulneráveis às doenças profissionais, porque estão na idade em que continuam a desenvolver-se, física e mentalmente, o que os torna mais vulneráveis a substâncias produtos químicos perigosos e outros agentes nocivos. 

A menor incidência de doenças profissionais entre os jovens trabalhadores é provavelmente devido ao fato de que uma doença ocupacional se manifesta em um período prolongado de exposição e/ou latência. Além disso, é difícil obter dados precisos sobre doenças profissionais, em particular quando se trata de dados sobre doenças profissionais causada pela exposição a perigos no local de trabalho durante a juventude (EUOSHA, 2007).

Além do sofrimento humano incalculável que eles trazem consigo, acidentes de trabalho e doenças ocupacionais também têm um custo econômico considerável, que representa uma perda anual estimada de 3,94% do PIB mundial (OIT, 2017c). O custo para a sociedade de jovens trabalhadores que sofrem ferimentos profissionais sérios e sequelas a longo prazo podem ser muito maiores do que trabalhadores adultos que sofrem lesões semelhantes. As consequências das lesões ocupacionais são mais graves quando ocorrem no início da vida profissional de um jovem.

Um jovem trabalhador com uma deficiência prolongada pode, como consequência disso, deixar de ser um membro ativo da sociedade e não poder aproveitar educação e formação recebidas.

Muitos países estão fazendo investimentos significativos em emprego, educação e formação, desenvolvimento de competências e criação de postos de trabalho para jovens 

É extremamente importante incluir segurança e saúde ocupacional (SST) nestes programas. 

Para tanto, é necessário entender e abordar os fatores de risco específicos pela segurança e saúde que jovens trabalhadores de todas as idades enfrentam entre 15 e 24 anos de idade. 

Enquanto a lei e as políticas reconhecem jovens menores de 18 anos como um grupo vulnerável e fornecer-lhes proteções regras especiais através de normas de trabalho infantil e proibições relacionadas Com trabalho perigoso, jovens entre 18 e 24 anos não têm mais reconhecimento jurídico comparável ou nível de proteção no local de trabalho, que eles estão expostos a um risco contínuo e maior de lesão. 

A OIT tem um compromisso de longa data com a promoção do trabalho decente e condições de trabalho seguras e saudáveis para todos os trabalhadores durante a vida laboral. Insiste na importância de melhorar a SST para os trabalhadores jovens, tanto para promover o trabalho juvenil decente como para contribuir para os esforços implantados para combater o trabalho infantil perigoso.

Dos 151,6 milhões de crianças no mundo que trabalham, cerca de metade (72,5 milhões) o fazem em empregos perigosos. 

Cerca de 24% deles (mais de 37 milhões) têm entre 15 e 17 anos (OIT, 2017b) 

A adoção de medidas rigorosas para abordar a SST dos trabalhadores na juventude traz dois benefícios: melhorar a saúde e a segurança dos trabalhadores jovens e a redução do número total de crianças envolvidas em trabalhos perigosos.

Para construir uma geração de trabalhadores saudáveis que desenvolvem sua atividade em condições seguras, deve ser iniciado, sensibilizando o país e comunidades. 

Para que os jovens estejam cientes dos riscos que correm e possam defender seus direitos, tenham conhecimentos sobre perigos e riscos ocupacionais, bem como sobre os direitos dos trabalhadores, você deve começar na escola e acompanhar de programas de formação profissional e aprendizagem. 

Empregadores, seja de Empresas formais ou informais e empresas familiares, precisam de orientação sobre fatores de risco específicos que os jovens trabalhadores enfrentam em seu desempenho das suas tarefas e nas condições que se adequam à sua idade. 

Finalmente, na sua incorporação no mundo do trabalho, é essencial que os jovens trabalhadores tenham com o apoio da representação das organizações de trabalhadores para que possam exercitar seus direitos e expresse suas preocupações. 

A melhoria da segurança e saúde dos jovens trabalhadores contribuirá para a realização de Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) sobre trabalho decente e desenvolvimento econômico. 

Isso ajudará a alcançar a meta 8.8. sobre ambientes de trabalho seguros e sem risco para todos os trabalhadores até 2030 e meta 8.7. sobre a eliminação do trabalho infantil em todas as suas formas até 2025. 

Atingir esses objetivos requer a colaboração entre autoridades públicas, empregadores, trabalhadores e suas organizações, bem como outros intervenientes chave, a fim de criar uma cultura de prevenção centrada na segurança e saúde da próxima geração da força de trabalho global.

Comente esta notícia