Notícias

Imagem

DE OLHO NO FUTURO PÓS-REFORMA TRABALHISTA, SEMINÁRIO PLURAL INDICA CAMINHO PARA COMBATER ATITUDES ANTISSINDICAIS

A necessidade de união entre movimento sindical e entidades do poder pública em busca de mais liberdade sindical foi o tema principal do Seminário realizado em Curitiba pelos metalúrgicos da Força Paraná

Na manhã desta terça-feira (22) no Auditório Diamiro Cordeiro da Fonseca, sede dos Metalúrgicos de Curitiba, os metalúrgicos da Fetim, filiado à Força Paraná, promoveram o 1º Seminário “Como Combater Atitudes Antissindicais das Empresas Depois da Reforma Trabalhista”. 

Além das principais lideranças sindicais do estado, o Seminário plural contou também com a presença dos doutores Alberto Emiliano, procurador do Ministério Público do Trabalho do Paraná e Luiz Fernando Busnardo, Chefe da Seção de Relações do Trabalho da Superintendência Regional do Ministério do Trabalho no Paraná. 

Com objetivo de indicar bons caminhos para combater as práticas antissindicais, os representantes do Estado que a “aproximação” e a “unidade” entre entidades que eles representam (MPT e Ministério do Trabalho) com o movimento sindical é um primeiro passo importante no combate a essas atitudes. 

Segundo o procurador do MPT-PR, Alberto Emiliano, que também coordena o Fórum Estadual em Defesa da Liberdade Sindical, garantir a liberdade sindical e combater essas atitudes antissindicais é uma das principais funções do órgão.

Procurador Alberto Emiliano“O MPT tem várias funções, uma delas é justamente a promoção dos direitos fundamentais. E como a liberdade sindical é um direito fundamental e como tal, deve contar com a atuação efetiva do MPT na sua promoção e na sua proteção”, destacou o procurador.

Ainda neste sentido, o procurador destacou ainda que um dos principais meios de combater essas atitudes antissindicais das empresas é, portanto, recorrer ao Ministério Público do Trabalho, já que promover a liberdade sindical e de representação é uma das suas principais atribuições. Para isso, um dos canais mais acessíveis é justamente o site do próprio MPT-PR, no qual facilmente as denuncias de práticas antissindicais podem ser encaminhadas. 

“As reuniões do Fórum e a Audiência Pública sobre Liberdade Sindical que o Fórum irá promover em junho também são caminhos para que essas denuncias sejam feitas e para que esse combate as atitudes antissindicais seja ampliado”, ressaltou Alberto Emiliano.

Luiz Fernando Busnardo, Chefe da Seção de Relações do Trabalho da Superintendência Regional do Ministério do Trabalho no Paraná, também destaca que o esclarecimento do que são práticas antissindicais contribuiu significativamente não só para o movimento sindical do Paraná, mas também para quem atua em outra ponta, como é o caso da Superintendência Regional do Ministério do Trabalho no Paraná.

“O relato das experiências e as nossas conversas aqui hoje permitiu esclarecer que práticas antissindicais podem ser desde pequenos atos dentro das empresas até uma grande ação judicial perpetrada e que resulta em prejuízo aos sindicatos e aos trabalhadores”, explica Busnardo.Luiz Fernando Busnardo, Chefe da Seção de Relações do Trabalho da Superintendência Regional do Ministério do Trabalho no Paraná

Para o chefe da Superintendência, com esses esclarecimentos e discussões, o Seminário realizado pelos metalúrgicos do Paraná cumpriu o grande objetivo do encontro, que era indicar bons caminhos para o combate a essas atitudes. 

De acordo com Sérgio Butka, presidente dos Metalúrgicos do Paraná, da Força Paraná e dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, além da aproximação entre as entidades, “a iniciativa do movimento metalúrgico em se antever aos desafios de combate as atitudes antissindicais, que certamente aumentarão depois da Reforma Trabalhista, é um dos pontos altos desta terça-feira”.

Sérgio Butka, presidente da Fetim, da Força Paraná e do SMC“Depois da Reforma que passou pelo Congresso, inúmeras empresas passaram a praticar ações antissindicais que antes não faziam. O que temos visto é uma proliferação desse modo de tratar os trabalhadores. Por isso, realizar um seminário como o de hoje, com a presença do MPT e SRTE, vem com esse objetivo de combatermos o crescimento dessas atitudes e fortalecer cada vez mais a luta dos trabalhadores”, explica o presidente Sérgio Butka, em nome das lideranças sindicais que estiveram presentes no encontro.

Em breve, as falas dos participantes estarão disponíveis, em vídeo, na íntegra na Metal TV e nos sites do SMC, Força Paraná e Fetim.

 

Confira abaixo o vídeo sobre as práticas antissindicais produzido pela MetalTV.

 

Veja as fotos dessa notícia

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem

Comente esta notícia