Notícias

Imagem

Anderson Teixeira é reeleito para a presidência do Sindimoc com diferença ainda maior de votos

A categoria escolheu pela segunda vez em dois meses a Chapa 2 – Zico, porém desta vez a chapa encabeçada por Anderson Teixeira ampliou diferença de votos sobre a segunda colocada em 49,59%

Nesta quinta-feira (29), o Sindicato dos Motoristas e Cobradores de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Sindimoc), filiado à Força Paraná, realizou a eleição para definir a diretoria para o mandato de 2019 a 2022. Os trabalhadores reelegeram o presidente Anderson Teixeira, pela Chapa Zico.

Essa foi a segunda eleição da entidade nesse mesmo ano. Em 20 de setembro, os trabalhadores da categoria já haviam reeleito a Chapa 2 – Zico. Porém, atendendo a pedido judicial de uma chapa perdedora (ligada à CUT), o processo eleitoral de setembro foi anulado por meio de liminar da 23º Vara do Trabalho, proferida em 30 de outubro, cinco dias depois do início da mobilização da categoria contra o fim dos cobradores. A liminar foi substancialmente reformada pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT-PR), em decisão do desembargador Cassio Colombo Filho, mas o pedido de nova eleição foi mantido.

Na segunda eleição, porém, o que ocorreu foi que cresceu a diferença de votos entre a chapa de Anderson Teixeira e as demais chapas derrotadas. A Chapa 2 - Zico teve 1.590 votos, ou seja, 54,94% dos votos válidos. A Chapa 3 teve 1.171 votos (41,81%) e a Chapa, 91 votos (3,25%). A diferença da Chapa vitoriosa para a segunda colocada, que na eleição de outubro foi de 246 votos, subiu para 368 votos, aumentando 49,59%. O número de votantes subiu de 2.489 para 2.830.

“Os associados do Sindimoc escolheram a Chapa 2 para continuar defendendo os direitos e o crescimento da categoria. É uma eleição que nos enche de orgulho e coroa o trabalho duro dessa Diretoria, uma confiança que seguiremos honrando com determinação e coragem, ainda que para isso tenhamos que enfrentar e contrariar interesses poderosos que costumam dar as cartas em nossa cidade”, afirma Anderson Teixeira.

A Chapa derrotada trouxe sindicalistas de todos os cantos do Brasil para tentar ganhar a eleição. Havia sindicalistas de Natal-RN, Fortaleza-CE, Salvador-BA, Vitória-ES, Campinas-SP, Sorocaba-SP, Rio de Janeiro-RJ e de outras localidades. Uma parte veio de avião, outra de ônibus e outra em carros, evidenciando um grande investimento no sentido de tentar assumir o comando do Sindimoc. “Voltaram para suas casas sabendo que aqui temos trabalho e luta, que somos um sindicato combativo e sério. No final da apuração, o que notamos nesses sindicalistas foi um olhar de  respeito pela nossa Diretoria e pelo nosso querido Sindimoc”

Presença do Ministério Público

Embora a eleição desta quinta-feira tenha sido realizada exatamente da mesma maneira que a de setembro, dessa vez teve o acompanhamento do Ministério Público do Trabalho, com a presença do procurador-chefe do MPT-PR, Gláucio Araújo de Oliveira, e do procurador Alberto Emiliano de Oliveira Neto, que é vice coordenador nacional da Coordenadoria Nacional de Liberdade Sindical (Conalis). Sendo assim, ainda que tenha tido a mesma legitimidade do pleito anterior, uma vez que a mesma vontade do eleitor foi manifestada, a eleição dessa semana teve mais peso institucional. “Os procuradores viram com seus próprios olhos. Não tem como um mau perdedor ir lá amanhã ou depois dizer que teve isso ou aquilo na eleição”, afirma Anderson Teixeira.

DESAFIOS

Entre os desafios da próxima gestão do Sindimoc, o principal deles se coloca logo de cara: é o enfrentamento da Lei do Desemprego, cuja atual diretoria já iniciou mobilização para combater. Já na segunda-feira, 3 dezembro, às 10h da manhã será votado regime de urgência na Câmara Municipal. “Todos os trabalhadores estão convocados para essa luta. É o emprego e a vida de 6.000 dos nossos que está em jogo. Então, é hora de união em torno dessa mobilização” finaliza o presidente reeleito do Sindimoc.

Comente esta notícia